Imagens sociais sobre famílias com filhos em instituição de acolhimento

Naiana Dapieve Patias, Narjara Mendes Garcia, Débora Dalbosco Dell'Aglio

Abstract


Este trabalho investigou as imagens sociais sobre famílias com filhos em acolhimento institucional. Participaram 243 pessoas, entre 16 e 80 anos (M=35,50, DP=12,64), selecionadas por conveniência em diferentes cidades do Rio Grande do Sul, sendo que 67% delas já tiveram ou têm contato com jovens em vulnerabilidade. O questionário utilizado apresenta 26 palavras de valência negativas e positivas, e o participante responde o quanto considera que cada característica descreve as famílias investigadas. Os resultados indicaram que as famílias com filhos institucionalizados são descritas predominantemente com características negativas: desestruturada, carente, afetada por drogas, despreparada; especialmente por pessoas que têm ou já tiveram contato com essa população. Destaca-se a importância de políticas públicas de formação continuada dos profissionais que atuam diretamente com famílias em situação de vulnerabilidade.


References


Amaro, F. (2014). Sociologia da família. Lisboa: Edições Pactor.

Amazonas, M. C., Damasceno, P., Terto, L., & Silva, R. (2003). Arranjos familiares de crianças de camadas populares. Psicologia em Estudo, 8(número especial), 11-20.

Bardin. (1994). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta.

Brito, C., Rosa, E., & Trindade, Z. (2014). O processo de reinserção familiar sob a ótica das equipes técnicas das instituições de acolhimento. Temas em Psicologia, 22(2), 401-413.

Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados (Tradução Veronese, M. A. V.) Porto Alegre, Artes Médicas.

Bullock, H. E. (1999). Attributions for poverty: a comparison of middle-class and welfare recipient attitudes. Journal of Applied Social Psychology, 29 (10), 2059-2082.

Cardoso, C., & Féres-Carneiro, T (2008). Sobre a família: Com a palavra, a comunidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 8(2), 523-539.

Cavalcante, L., Magalhães, C., & Reis, D. (2014). Análise comparativa do perfil de crianças em acolhimento institucional nos anos de 2004 e 2009. Psico, 45(1), 90-99.

Constantino, P., Assis, S., & Mesquita, V. (2013). Crianças, adolescentes e famílias em SAI. In S. Assis, & L. Farias (Eds.), Levantamento nacional de crianças e adolescentes em serviço de acolhimento (pp. 161-220). São Paulo: Hucited.

Costa, L., & Penso, M. A. (2014). A compreensão da família como sistema. In L. Costa, M. Penso, & M. I. Conceição (Eds.), Abordagem à família no contexto do conselho tutelar (pp. 49-59). São Paulo: Ágora.

Cozzarelli, C., Wilkinson, A.V., & Tagler, M. J. (2001). Attitudes toward the poor and attributions for poverty. Journal of Social Issues, 57(2), 207–227.

De Antoni, C., Barone, L. R., & Koller, S. H. (2007). Indicadores de risco e de proteção em famílias fisicamente abusivas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(2), 125-132.

Domingues, A. L. (2013). Imagens associadas às famílias de crianças e jovens em acolhimento institucional. Dissertação de Mestrado não publicada. Instituto Universitário de Lisboa. Lisboa, Portugal.

Estatuto da Criança e do Adolescente (1990). Diário Oficial da União. Lei nº 8069, de 13 de julho de 1990. Brasília: Palácio do Planalto.

Fonseca, C. (2005). Concepção de família e práticas de intervenção: uma contribuição antropológica. Revista Saúde e Sociedade, 14(2), 50-59.

Goffman, E. (1988). Estigma: Uma análise sobre a situação da pessoa estigmatizada. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.

Martins, S. (2014). Diferentes olhares para a família de crianças e adolescentes. In L. Costa, M. Penso, & M. I. Conceição (Eds.), Abordagem à família no contexto do conselho tutelar (pp. 71-82). São Paulo: Ágora.

Moré, C. L. (2014). A escuta e a rede de apoio à família em situação de violência. In L. Costa, M. Penso, & M. I. Conceição (Eds.), Abordagem à família no contexto do conselho tutelar. (pp. 109-119). São Paulo: Ágora.

Muller, F. (2014). Perspectivas de crianças acolhidas institucionalmente sobre suas famílias de origem. Linhas Críticas, 20(41), 125-145.

Nascimento, M. L. (2012). Abrigo, pobreza e negligência. Psicologia & Sociedade, 24(número especial), 39-44.

Nunes, C., Lemos, I., Nunes, L., & Costa, D. (2013). Acontecimentos de vida estressantes e apoio social em famílias de risco psicossocial. Psicologia, Saúde e Doenças, 14(2), 313-320.

Rizzini, I., & Rizzini, I. (2004). A institucionalização de crianças no Brasil: Percurso histórico e desafios do presente. Rio de Janeiro: Loyola.

Scheinvar, E. (2006). A família como dispositivo de privatização do social. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 58(1), 48-57.

Silveira, S., & Yunes, M. A. (2010). Interações do ambiente judiciário e famílias pobres: Risco ou proteção às relações familiares? Psicologia em Revista, 16(1), 180-198.

Singly, F. (2007). Sociologia da família contemporânea. (trad. C. E. Peixoto). Rio de Janeiro: FGV.

Souza, L., & Ribeiro, C. (2005). Percepção de famílias multiproblemáticas pobres sobre as suas competências. Psicologia, 19(1-2), 169-191.

Vasconcelos, Q. A., Yunes, M. A. M., & Garcia, N. M. (2009). Um estudo ecológico sobre as interações da família com o abrigo. Paidéia, 19, 221-229.

Wagner, A., & Levandowski, D. C. (2008). Sentir-se bem em família: Um desafio frente à diversidade. Revista Textos & Contextos, 7(1), 88-97.

Yunes, M. A. M., Garcia, N. M., & Albuquerque, B. M. (2007). Monoparentalidade, pobreza e resiliência: entre as crenças dos profissionais e as possibilidades da convivência familiar. Revista Psicologia: Reflexão & Crítica, 20(3), 444-453.

Yunes, M. A. M., Mendes, N., & Albuquerque, B. M. (2005). Percepções e crenças de agentes comunitários de saúde sobre resiliência em famílias monoparentais pobres. Texto & Contexto Enfermagem, 14, 24-31.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2016 Naiana Dapieve Patias, Narjara Mendes Garcia, Débora Dalbosco Dell'Aglio

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

The IJP maintain the highest standards of quality and have an acceptance rate that ranges between 30% to 45% which the American Psychological Association considers an acceptable rate and its revision times ranges from 3 months minimum to 7 month maximum waiting time. The IJP uses the open journal system for submissions, review, and promulgation of the work of the interamerican psychologists. It is indexed in: Redalyc, Pepsic, DOAJ, SCOPUS.

Dedicada a expandir preservar y divulgar la Psicología de las Américas desde el 1967.