Psychology, Interamerican
Imagens sociais sobre famílias com filhos em instituição de acolhimento
PDF (Português (Brasil))

Supplementary Files

capa com nome autoras

How to Cite

Patias, N. D., Garcia, N. M., & Dell’Aglio, D. D. (2016). Imagens sociais sobre famílias com filhos em instituição de acolhimento. Revista Interamericana De Psicología/Interamerican Journal of Psychology, 50(2). https://doi.org/10.30849/rip/ijp.v50i2.75

Abstract

Este trabalho investigou as imagens sociais sobre famílias com filhos em acolhimento institucional. Participaram 243 pessoas, entre 16 e 80 anos (M=35,50, DP=12,64), selecionadas por conveniência em diferentes cidades do Rio Grande do Sul, sendo que 67% delas já tiveram ou têm contato com jovens em vulnerabilidade. O questionário utilizado apresenta 26 palavras de valência negativas e positivas, e o participante responde o quanto considera que cada característica descreve as famílias investigadas. Os resultados indicaram que as famílias com filhos institucionalizados são descritas predominantemente com características negativas: desestruturada, carente, afetada por drogas, despreparada; especialmente por pessoas que têm ou já tiveram contato com essa população. Destaca-se a importância de políticas públicas de formação continuada dos profissionais que atuam diretamente com famílias em situação de vulnerabilidade.

https://doi.org/10.30849/rip/ijp.v50i2.75
PDF (Português (Brasil))

References

Amaro, F. (2014). Sociologia da família. Lisboa: Edições Pactor.

Amazonas, M. C., Damasceno, P., Terto, L., & Silva, R. (2003). Arranjos familiares de crianças de camadas populares. Psicologia em Estudo, 8(número especial), 11-20.

Bardin. (1994). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta.

Brito, C., Rosa, E., & Trindade, Z. (2014). O processo de reinserção familiar sob a ótica das equipes técnicas das instituições de acolhimento. Temas em Psicologia, 22(2), 401-413.

Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados (Tradução Veronese, M. A. V.) Porto Alegre, Artes Médicas.

Bullock, H. E. (1999). Attributions for poverty: a comparison of middle-class and welfare recipient attitudes. Journal of Applied Social Psychology, 29 (10), 2059-2082.

Cardoso, C., & Féres-Carneiro, T (2008). Sobre a família: Com a palavra, a comunidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 8(2), 523-539.

Cavalcante, L., Magalhães, C., & Reis, D. (2014). Análise comparativa do perfil de crianças em acolhimento institucional nos anos de 2004 e 2009. Psico, 45(1), 90-99.

Constantino, P., Assis, S., & Mesquita, V. (2013). Crianças, adolescentes e famílias em SAI. In S. Assis, & L. Farias (Eds.), Levantamento nacional de crianças e adolescentes em serviço de acolhimento (pp. 161-220). São Paulo: Hucited.

Costa, L., & Penso, M. A. (2014). A compreensão da família como sistema. In L. Costa, M. Penso, & M. I. Conceição (Eds.), Abordagem à família no contexto do conselho tutelar (pp. 49-59). São Paulo: Ágora.

Cozzarelli, C., Wilkinson, A.V., & Tagler, M. J. (2001). Attitudes toward the poor and attributions for poverty. Journal of Social Issues, 57(2), 207–227.

De Antoni, C., Barone, L. R., & Koller, S. H. (2007). Indicadores de risco e de proteção em famílias fisicamente abusivas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(2), 125-132.

Domingues, A. L. (2013). Imagens associadas às famílias de crianças e jovens em acolhimento institucional. Dissertação de Mestrado não publicada. Instituto Universitário de Lisboa. Lisboa, Portugal.

Estatuto da Criança e do Adolescente (1990). Diário Oficial da União. Lei nº 8069, de 13 de julho de 1990. Brasília: Palácio do Planalto.

Fonseca, C. (2005). Concepção de família e práticas de intervenção: uma contribuição antropológica. Revista Saúde e Sociedade, 14(2), 50-59.

Goffman, E. (1988). Estigma: Uma análise sobre a situação da pessoa estigmatizada. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.

Martins, S. (2014). Diferentes olhares para a família de crianças e adolescentes. In L. Costa, M. Penso, & M. I. Conceição (Eds.), Abordagem à família no contexto do conselho tutelar (pp. 71-82). São Paulo: Ágora.

Moré, C. L. (2014). A escuta e a rede de apoio à família em situação de violência. In L. Costa, M. Penso, & M. I. Conceição (Eds.), Abordagem à família no contexto do conselho tutelar. (pp. 109-119). São Paulo: Ágora.

Muller, F. (2014). Perspectivas de crianças acolhidas institucionalmente sobre suas famílias de origem. Linhas Críticas, 20(41), 125-145.

Nascimento, M. L. (2012). Abrigo, pobreza e negligência. Psicologia & Sociedade, 24(número especial), 39-44.

Nunes, C., Lemos, I., Nunes, L., & Costa, D. (2013). Acontecimentos de vida estressantes e apoio social em famílias de risco psicossocial. Psicologia, Saúde e Doenças, 14(2), 313-320.

Rizzini, I., & Rizzini, I. (2004). A institucionalização de crianças no Brasil: Percurso histórico e desafios do presente. Rio de Janeiro: Loyola.

Scheinvar, E. (2006). A família como dispositivo de privatização do social. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 58(1), 48-57.

Silveira, S., & Yunes, M. A. (2010). Interações do ambiente judiciário e famílias pobres: Risco ou proteção às relações familiares? Psicologia em Revista, 16(1), 180-198.

Singly, F. (2007). Sociologia da família contemporânea. (trad. C. E. Peixoto). Rio de Janeiro: FGV.

Souza, L., & Ribeiro, C. (2005). Percepção de famílias multiproblemáticas pobres sobre as suas competências. Psicologia, 19(1-2), 169-191.

Vasconcelos, Q. A., Yunes, M. A. M., & Garcia, N. M. (2009). Um estudo ecológico sobre as interações da família com o abrigo. Paidéia, 19, 221-229.

Wagner, A., & Levandowski, D. C. (2008). Sentir-se bem em família: Um desafio frente à diversidade. Revista Textos & Contextos, 7(1), 88-97.

Yunes, M. A. M., Garcia, N. M., & Albuquerque, B. M. (2007). Monoparentalidade, pobreza e resiliência: entre as crenças dos profissionais e as possibilidades da convivência familiar. Revista Psicologia: Reflexão & Crítica, 20(3), 444-453.

Yunes, M. A. M., Mendes, N., & Albuquerque, B. M. (2005). Percepções e crenças de agentes comunitários de saúde sobre resiliência em famílias monoparentais pobres. Texto & Contexto Enfermagem, 14, 24-31.