Percepção de risco ambiental: Uma análise a partir de anotações de campo

  • Eveline Favero Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Melina Carvalho Trindade Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
  • Alexandra Passuello Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Cristiane Pauletti Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Universidade Luterana do Brasil (ULBRA)
  • Andrea Jaeger Foresti Instituto Redecriar
  • Jorge Castellá Sarriera Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Luiz Carlos Pinto da Silva Filho Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Abstract

O artigo apresenta os resultados de uma pesquisa-intervenção que teve por objetivo identificar riscos ambientais, além de sensibilizar e capacitar uma comunidade na busca de estratégias coletivas para lidar com os mesmos. Participaram 12 moradores de ambos os sexos, maiores de 18 anos, residentes em uma ilha do sul do Brasil, com registros de inundações. Utilizou-se a técnica do grupo focal, bem como a sistematização dos dados através de anotações de campo. Foram analisadas 22 anotações através do método de Análise de Conteúdo. Os resultados apontaram a presença de riscos no ambiente, relativos à mobilidade, à saúde dos moradores e ao desequilíbrio ecológico. Fatores como apego ao lugar, sentimento de desamparo e sentido de comunidade revelaram-se centrais na análise da percepção de risco ambiental.

Author Biographies

Eveline Favero, Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Centro de Educação. Comunicação e Artes, Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Professora Adjunta de Psicologia.
Alexandra Passuello, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Centro de Estudos e Pesquisas sobre Desastres do Rio Grande do Sul, Escola de Engenharia
Cristiane Pauletti, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Universidade Luterana do Brasil (ULBRA)
Grupo de Gestão de Riscos de Desastres (GRID-UFRGS) e Curso Engenharia Civil (ULBRA), Centro de Estudos e Pesquisas sobre Desastres
Jorge Castellá Sarriera, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Instituto de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Professor Adjunto
Luiz Carlos Pinto da Silva Filho, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Escola de Engenharia, Centro de Estudos e Pesquisas sobre Desastres do Rio Grande do Sul

References

Bardin, L. (1974). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bonzo, C., Castro, B., De Lellis, M., Samaniego, C., & Tissera, E. (2001). Aportes psicosociales al concepto de riesgo. In E. Saforcada (Ed.), El “Factor Humano” en la salud pública: Una mirada psicológica dirigida hacia la salud colectiva (pp. 130-141). Buenos Aires: PROA XXI.

Chiappetti, A. B. (2005). Ocupação do Parque Estadual Delta do Jacuí: Conflitos de uso terrritorial (Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geociências, UFRGS, Porto Alegre, Brasil). Disponível em https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/5208/000511981.pdf?sequence=1

Dass-Brailsford, P. (2010). Hurricane Katrina: What went wrong? In P. Dass-Brailsford (Ed.), Crisis and disaster counseling: Lessons learned from hurricane Katrina and other disasters (pp.17-32). Thousand Oaks, CA: SAGE.

Domènech, L., Supranamiam, M., & Sauri, D. (2010). Citizens’ risk awareness and responses to the 2007-2008 drought episode in the Metropolitan Region of Barcelona (MRB). In G. Wachinger & O. Renn (Eds.), Risk perception and natural hazards. CapHaz-Net WP3 Report (pp. 47-56), Stuttgart: DIALOGIC. Disponível em http://caphaz-net.org/outcomes-results/CapHaz-Net_WP3_Risk-Perception2.pdf

Frizzo, K. R. (2010). Diário de campo: Reflexões epistemológicas e metodológicas. In J. C. Sarriera & E. Saforcada (Orgs.), Introdução à Psicologia Comunitária: Bases teóricas e metodológicas (pp. 169-187). Porto Alegre: Sulina.

Hidalgo, M., & Hernández, B. (2001). Place attachment: Conceptual and empirical questions. Journal of Environmental Psychology, 21(3), 273-281.

Guareschi, P., Boeckel, M. G., Rocha, K. B., & Moreira, M. C. (2008). Grupos focales en psicología comunitaria. In J. C. Sarriera & E. Saforcada (Orgs.), Introdução à Psicologia Comunitária: Bases teóricas e metodológicas (pp. 173-188). Porto Alegre: Sulina.

Hobfoll, S. E. (1989). Conservation of Resources: A new attempt at conceptualizing stress. American Psychologist, 44(3), 513-524. Disponível em http://www.personal.kent.edu/~shobfoll/Files/pdfs/AP1989CORnewattempt.pdf

Hobfoll, S. E. (2001). The influence of culture, community, and the nested-self in the stress process: Advancing conservation of resources theory. Applied Psychology: An international review, 50(3), 337-421.

Lewicka, M. (2013). In search of roots: Memory as enabler of place attachment. In L. C. Manzo & P. Devine-Wright (Eds.), Place Attachment: Advances in Theory, Methods and Applications (pp. 49-60). New York: Routledge.

McMillan, D. (1996). Sense of Community. Journal of Community Psychology, 24(4), 315-326. Disponível em http://history.furman.edu/benson/hst321/McMillan_Sense_of_Community_1996.pdf

McMillan, D. W., & Chavis, D. M. (1986). Sense of community: A definition and theory. Journal of Community Psychology, 14(1), 6-23. Disponível em http://mc7290.bgsu.wikispaces.net/file/view/McMillan_1986.pdf

Montero, M. (2004). Comunidad y sentido de comunidad. In M. Montero. Introducción a la psicología comunitária: Desarrollo, conceptos y procesos (pp. 197-223). Buenos Aires: Paidós.

Montero, M. (2006). Dos técnicas en la investigación e intervención comunitarias: Las anotaciones, o diario de campo y el uso de documentos secundarios. In M. Montero. Hacer para transformar: El método en la psicología comunitaria (pp. 301-321). Buenos Aires: Paidós.

Prefeitura de Porto Alegre. (2010). Plano Municipal de Saúde 2010-2013. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre. Retrieved from: http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/sms/usu_doc/pms.pdf

Rocha, M. L., & Aguiar, K. F. (2003). Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia, Ciência & Profissão, 23(4), 64-73. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932003000400010

Sarason, S.B. (1974). The psychological sense of community: Prospects for a community psychology. San Francisco: Jossey-Bass.

Seganfredo, F. S., Paniz, G., Hirt, J. A. N., Carvalho Jr., L. A., & Corroche, P. C. (2008). Fiscalização ambiental no Parque Estadual Delta do Jacuí – RS. Ambiência, 4(1), 119-127. Disponível em http://revistas.unicentro.br/index.php/ambiencia/article/view/293/1891

Slovic, P. (2010). The psychology of risk. Saúde & Sociedade, 19(4), 731-747. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902010000400002

Smith, K. (1992). Environmental hazards: Assessing risk and reducing disaster. New York: Routledge.

Susan, C., & Meyers, G. (2009). Conservation psychology: Understanding and promoting human care for nature. West Susssex, UK: Willey-Blackwell.

Vidal, T., Berroeta, H., Di Masso, A., Valera, S., & Peró, M. (2013). Apego al lugar, identidad de lugar, sentido de comunidad y participación en un contexto de renovación urbana. Estudios de Psicología, 34(23), 275-286.

Wachinger, G., & Renn, O. (2010). Risk perception. In G. Wachinger & O. Renn (Eds.), Risk perception and natural hazards, CapHaz-Net WP3 Report (pp. 08-20). Stuttgart: DIALOGIC. Disponível em http://caphaz-net.org/outcomes-results/CapHaz-Net_WP3_Risk-Perception2.pdf

Published
2016-06-13
How to Cite
Favero, E., Trindade, M. C., Passuello, A., Pauletti, C., Foresti, A. J., Sarriera, J. C., & da Silva Filho, L. C. P. (2016). Percepção de risco ambiental: Uma análise a partir de anotações de campo. Revista Interamericana De Psicologia/Interamerican Journal of Psychology, 50(1). https://doi.org/10.30849/rip/ijp.v50i1.42