Correlation between variables of therapeutic interaction with clients in SAD

Vagner Angelo Garcia, Alessandra Turini Bolsoni-Silva, Glaucia Fernanda Galeazzi Nobile

Abstract


Several studies have been developed for therapeutic interaction, however the population with Social Anxiety Disorder (SAD) is still little studied in this research field. This study aimed to analyze the correlations between variables of the therapeutic process: therapist and client behaviors and the themes discussed in the sessions. Participated in the research two clients diagnosed with SAD and a therapist. The sessions were analyzed using a categorization system behavior, and the correlation analysis by means of Spearman's rho test were performed. The results indicate that the therapist presented a therapy in active listening, being empathetic to provide information and recommendations. Sought information on certain topics with empathy, collecting data and asking for consideration. Another highlight is the correlation between Relations and Goals/Concordance, which configure as key processes to achieve the therapeutic goal.

Keywords


therapeutic interaction, behavioral categories, correlation analysis

References


Andrews, H. B. (2000). The myth of the scientist-practitioner: A reply to R. King and N. King and Ollendick. Australian Psychologist, 35, p. 60-63.

American Psychiatric Association (2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition. Washington, DC: American Psychiatric Association.

Castonguay, L. G., & Beutler, L. E. (2006). Common and unique principles of therapeutic change: What do we know and what do we need to know. In Castonguay, L. G., & Beutler, L. E. (Eds.) Principles of therapeutic change that work. New York, NY: Oxford University Press, 353-369.

Castonguay, L. G., Constantino, M. J., & Grosse, M. (2006). The working alliance: Where are we and where should we go? Psychotherapy: Theory, Research, Practice, Training, 43, 271-279.

Fagundes, A. J. F. M. (1999). Descrição, definição e registro de comportamento. São Paulo: Edicon.

Falcone, E. M. O. (1998). Fobia social. In: Rangé, B. (Org.). Psicoterapia Comportamental e Cognitiva. Campinas: Editorial Psy, 133-149.

Fernandes, F. A. D. (2012). Relação terapêutica: uma análise dos comportamentos de terapeuta e cliente em sessões iniciais de terapia. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Fonseca, R., Silva, P., & Silva, R. (2007). Acordo inter-juízes: O caso do coeficiente kappa. Laboratório de Psicologia, 5(1), 81-90.

Garfield, S. L. (1995). Psychotherapy: An eclectic-integrative approach. New York: Jhon Wiley & Sons.

Harwood, M. D., & Eyberg, G. (2004). Therapist verbal behavior in treatment: relation to successful completion of parent-children interaction therapy. Journal of Clinical Child and Adolescent Psychology, 33, 601-612.

Kameyama, M. (2012). Intervenções sobre comportamentos de clientes que produzem sentimentos negativos no terapeuta. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Kanamota, P. F. C. (2013). Estudo da influência das respostas de empatia e recomendação do terapeuta na interação terapeuta-cliente e descrição de efeitos de um procedimento de intervenção para o tratamento de mães de adolescentes com problemas de comportamento. Dissertação de Mestrado. Bauru: Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”.

Keijsers, G. P. J., Schaap, C. P. D. R., Hoogduin, C. A. L., & Lammers, M. W. (1995). Patient therapist interaction in the behavioral treatment of panic disorder with agoraphobia. Behavior Modification, 19, 491-517.

Lambert, M. J. (1992). Psychotherapy outcome research: Implications for integrative and eclectic therapists. In: Norcross, J. C., & Goldfried, M. R. (Eds.) Handbook of psychotherapy integration. New York, NY: Basic Books, 94-129.

Luna, S. V. (1997). O terapeuta é um cientista? In: Banaco, R. A. (org.) Sobre Comportamento e Cognição, 1, Santo André: Arbytes.

Meyer, S. B. (2009). Análise de ‘solicitação de informação’ e ‘recomendação’ em banco de dados de terapias comportamentais. Tese (Livre-Docência em Psicologia clínica) Instituto de Psicologia. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Meyer, S. B., & Vermes, J. S. (2001). Relação terapêutica. In: Rangé, B. (Org.) Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais: um diálogo com a psiquiatria. Porto Alegre: Artmed, 101-110.

Meyer, S. B. (2001). A relação terapeuta-cliente é o principal meio de intervenção terapêutica? In: Guilhardi, H. J. (Org.). Sobre Comportamento e Cognição, 8. Santo André: ESETec, 95-98.

Orlinsky, D. E., Grawe, K., & Parks, B. K. (1994). Process and outcome in psychotherapy. In: Bergin, A. E., & Garfield, S. L. (Eds.). Handbook of psychotherapy and behavior change. New York: Wiley, 270–376.

Oshiro, C. K. B. (2011). Delineamento experimental e caso único: a Psicoterapia Analítico Funcional com dois clientes difíceis. Tese de Doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Rocha, J. F. (2012). Efeitos de uma intervenção comportamental com treino de habilidades sociais para universitários com fobia social. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências. Bauru: Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”.

Sadi, H. M. (2011). Análise dos comportamentos de terapeuta e cliente em um caso de Transtorno de Personalidade Boderline. Tese (Doutorado em Psicologia Clinica) Instituto de Psicologia. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Ruiz-Sancho, E. M., Frojan-Parga, M. X., & Calero-Elvira, A. (2013). Functional Analysis of the Verbal Interaction Between Psychologist and Client During the Therapeutic Process. Behavior Modification, 37(4), 516-542.

Silveira, F. F. (2009). Análise da interação terapêutica em uma intervenção de grupo com cuidadoras. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências. Bauru: Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”.

Silveira, J. M., & Kerbauy, R. R. (2000). A interação terapeuta-cliente: uma investigação com base na queixa clínica. In: Kerbauy, R. R. Sobre comportamento e cognição. Santo André: Esetec, 213-221.

Skinner, B. F. (1993). Ciência e comportamento humano. São Paulo: Martins Fontes. (Publicação original 1953)

Skinner, B. F. (1978) Sobre o Behaviorismo. São Paulo: Cultrix.

Torres, L. F., & De-Farias, A. K. C. R. (2010). Relação Terapêutica em

um Caso de Fobia Social. In: De-Farias, A. K. C. R. et al. (Orgs). Análise Comportamental Clínica: aspectos teóricos e estudos de caso. Porto Alegre: ArtMed, 252-262.

Xavier, R. N. (2011). Probabilidade de transição para o estudo da modelagem em dois estudos de caso de Terapia Analítico-Comportamental Infantil. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia. São Paulo:, Universidade de São Paulo.

Zamignani, D. R. (2007). O desenvolvimento de um sistema multidimensional para a categorização de comportamentos na interação terapêutica. Tese (Doutorado em Psicologia Clinica) Instituto de Psicologia. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Zamignani, D. R., & Andery, M. A. P. A. (2005). Interação entre Terapeutas Comportamentais e Clientes Diagnosticados com Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(1), 109-119.

Zamignani, D. R., & Meyer, S. B. (2007). Comportamento verbal no contexto clínico: contribuições metodológicas a partir da análise do comportamento. Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn. 9(2), 241-259.

Zamignani, D. R., & Meyer, S. B. (2011). Comportamentos verbais do terapeuta no sistema multidimensional para a categorização de comportamentos na interação terapêutica. Revista Perspectivas, 2(1), 25-45.




DOI: http://dx.doi.org/10.30849/rip/ijp.v52i1.280

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2018 VAGNER ANGELO GARCIA, Alessandra Turini Bolsoni-Silva, Glaucia Fernanda Galeazzi Nobile

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.