A influência dos comportamentos de empatia e recomendação do terapeuta na interação terapeuta-cliente

Priscila Ferreira de Carvalho Kanamota, Alessandra Turini Bolsoni-Silva, Juliano Setsuo Violin Kanamota

Abstract


O estudo verifica os efeitos do aumento da frequência das respostas de Empatia e Recomendação do terapeuta na interação terapeuta-cliente. Os participantes são 4 mães/cuidadoras de adolescentes com problemas de comportamento. O delineamento utilizado foi o quase experimental de sujeito único  (A, B, C). A Fase A (linha de base), Fases B (Empatia) e Fase C (Recomendação).  As verbalizações do terapeuta e clientes foram categorizadas utilizando o Sistema Multidimensional para Categorização de Comportamentos em Interação Terapêutica. Aplicou-se o Working Alliance Inventory ao final das fases. Os resultados demonstraram que o comportamento de Recomendação facilitou a ocorrência de Solicitação e Concordância dos clientes e dificultou o Estabelecimento de Relações. O comportamento de Empatia teve impacto na subcategoria Objetivos.

Keywords


Interação Terapeuta-Cliente; Relação Terapêutica; Empatia; Recomendação; Psicologia Baseada em Evidências.

References


Achenbach, T.M. & Rescorla, L. A. (2001). Manual for the ASEBA School-Age Forms & Profiles. Burlington, VT: University of Vermont, Research Center for Children, Youth & Families.

Amaral, S. S. (2010). Efeitos da solicitação e da subsequente descrição dos relatos verbais de um terapeuta sobre seu desempenho em sessões posteriores. Dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

American Psychological Association (2006). Presidential Task Force on Evidence-Based Practice. Evidence-based practice in psychology, American Psychologist, 61, 271–285.

Bachelor, A. & Horvath, A. (1999). The therapeutic relationship. In: Hubble, M. A.; Ducan, B. L.; Miller, S. D. (Eds) The heart & soul of change: what works in therapy. (pp. 133-178). Washington D. C: American Psychologycal Association.

Barrett-Lennard, G. T. (1981). The empathy cycle: Refinement of a nuclear concept. Journal of Counseling Psychology, 28, p. 91–100.

Bolsoni-Silva, A. T. (2007). Intervenção em grupo para pais: descrição de procedimento. (publicado em 2009). Temas em Psicologia, Vol. 15, (2), 217-235.

Bolsoni-Silva, A. T., Silveira, F. F. & Marturano, E. M. (2008). Promovendo habilidades sociais educativas parentais na prevenção de problemas de comportamento. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 10, 125-142.

Bolsoni-Silva, A. T., Silveira. F. F. & Ribeiro, D. C. (2008). Avaliação dos efeitos de uma intervenção com mães/cuidadoras: contribuições do treinamento em habilidades sociais. Contextos Clínicos, v. 1, (1), p. 19-27.

Bolsoni-Silva, A. T., Marturano, E. M. & Silveira, F. F. (2009). Cartilha Informativa: Orientação para Pais e Mães. São Carlos: Suprema, 2ed.

Bolsoni-Silva, A. T. & Marturano, E. M. (2010). Evaluation of group intervention for mothers/caretakers of kindergarten children with externalizing behavioral problem. Revista Interamericana de Psicología/Interamerican Journal of Psychology. Vol. 44, (3), 411-417.

Bordin, E.S. (1979). The generalizability of the psychoanalytic concept of the working alliance. Psychotherapy: Theory, Research and Practice, 16, (3), 252-260.

Chamberlain, P. & Baldwin D. V. (1988). Client resistance to parent training: Its therapeutic management. In T. R. Kratochwill (Ed.), Advances in School Psychology. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, Vol. 6, p. 131-171.

Cozby, P. (2003). Métodos de Pesquisa em Ciências do Comportamento. Ed. Atlas.

Del Prette, Z. A. P.; Del Prette, A. (1999). Psicologia das habilidades sociais: Terapia e educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Donadone, J. C. (2004). O uso da orientação em intervenções clínicas por terapeutas comportamentais experientes e pouco experientes (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Donadone, J. C. (2009). Análise de contingências de orientações e auto-orientações em intervenções clínicas comportamentais. Tese de Doutorado, USP.

Elliott, R., Bohart, A. C, Watson, J.C. & Greenberg, L. S. (2011). Empathy. Psychotherapy, vol 48, (1), p.46-49.

Fogaça, F.F.S., Bolsoni-Silva, A. T. & Meyer, S.B. (2014). Interação terapêutica: Considerações sobre os efeitos dos comportamentos de empatia, interpretação e orientação. In: Acta Comportamentalia, vol. 22, (1), pp. 218-226.

Gaston, L. & Marmar, C. R. (1994). The California Psychotherapy Alliance Scale. In: A. O. Horvath and L. Greenberg (Orgs). The Working Alliance: Theory, Research and Practice. (pp. 85-108). Toronto: J. Wiley and Sons.

Harwood, M. D. (2003). Effect of therapist process variables on treatment outcome for parentchild interaction therapy (PCIT). A master’s thesis presented to the graduate school of the University of Florida.

Harwood, M. D. & Eyberg, G. (2004). Therapist verbal behavior in treatment: relation to successful completion of parent-children interaction therapy. Journal of Clinical Child and Adolescent Psychology, 33, p. 601-612.

Hill, C. E. (2005). Therapist techniques, client involvement, and the therapeutic relationship: inextricably intertwined in the therapy process. Psychotherapy: theory, research, practice, training, Vol. 42, (4), 431–442.

Hill, C. E. & O'grady, K. E. (1985). List of therapist intentions illustrated with a case study and with therapists of varying theoretical orientations. Journal of Counseling Psychology, vol. 32, p. 3-22.

Horvath, A. O. & Greenberg, L. (1989). Development and validation of the Working Alliance Inventory. Journal of Counseling Psychology, vol. 41, p. 438-448.

Kazdin, A. E. & Whitley, M. K. (2006). Pretreatment social relations, therapeutic alliance, and improvements in parenting practices in parent management training. Journal of Consulting and Clinical Psychology, v. 74, (2), p. 346-355.

Keijsers, G.P.J., Schaap, C.P.D.R. & Hoogduin, C.A.L. (2000). The Impact of Interpersonal Patient and Therapist Behavior on Outcome in Cognitive-Behavior Therapy: A Review of Empirical Studies. Behavior Modification, 24, p. 264-297.

Kivlighan, D. M., Angelone, E. O. & Swafford, K. G. (1991). Live supervision in individual psychotherapy: Effects on therapist's intention use and client's evaluation of session effect and working alliance. Professional Psychology: Research and Practice, vol. 22, (6), p. 489-495.

Kohlenberg, R. J. & Tsai, M. (2001). Psicoterapia analítica funcional: criando relações intensas e curativas. Santo André: ESETec.

Melnik, T. & Atallah, A. N. (2011). Psicologia baseada em evidências: provas científicas da efetividade da psicoterapia. Santos Editora.

Meyer, S. B. (2006). Metodologia de Pesquisa da Psicoterapia em Clínicas-Escola. In: E. F. de M. Silvares. (Org.). Atendimento Psicológico em Clínicas-Escola. Campinas: Editora Alínea, v. 1, p. 23-41.

Meyer, S. B. (2009). Análise de ‘solicitação de informação’ e ‘recomendação’ em banco de dados de terapias comportamentais. São Paulo, Tese de Livre-Docência (Departamento de Psicologia Clínica). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

Meyer, S. B & Vermes, J. S. (2001). Relação terapêutica. In: RANGÉ, B. (Org.). Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais: Um diálogo com a psiquiatria. Pp. 101-110. Porto Alegre: Artmed.

Meyer, S. B. & Donadone, J. (2002). O emprego da orientação por terapeutas comportamentais. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, vol 4,(2), p. 79-90.

Meyer, S. B., Del Prette, G., Zamignani, D. R., Banaco, R. A., Neno, S. & Tourinho, E. Z. (2010). Análise do comportamento e terapia analítico-comportamental. In: Emmanuel Z. T. e Sérgio V. L. (orgs), Análise do comportamento: investigações históricas, conceituais e aplicadas. São Paulo: Roca, , p.153- 174.

Novaki, P. (2003). Influência da experiência e de modelo na descrição de intervenções terapêuticas. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo. São Paulo.

Orlinsky, D. E, Grawe, K. & Parks, B. K. (1994). Process and outcome in psychotherapy: Noch einmal. In A. E. Bergin & S. L. Garfield (Eds.). Handbook of psychotherapy and behavior change. 4th ed., (pp. 270–376) New York: Wiley.

Oshiro, C. K. B. (2011). Delineamento experimental e caso único: a Psicoterapia Analítico Funcional com dois clientes difíceis. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Oshiro, C. K. B., Kanter, J. & Meyer, S.B. (2012). A single-case experimental demonstration of Functional Analytic Psychotherapy with two clients with severe interpersonal problems. International Journal Of Behavioral Consultation And Therapy, vol. 7, (2–3), p. 111-116.

Patterson, G. R. & Forgatch, M. S. (1985). Therapist behavior as a determinant for client noncompliance: a paradox for the behavior modifier. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 6, p. 846-851.

Patterson, G. R. & Chamberlain, P. (1994). A functional analysis of resistance during parent training therapy. Clinical Psychology: Science and Practice, 1, p. 53–70.

Peuker, A. C., Habigzang, L. F., Koller, S. H. & E Araujo, L. B. (2009). Avaliação de processo e resultado em psicoterapias: uma revisão. Psicologia em Estudo, Maringá, vol 14, (3), p. 439- 445.

Pinto, M. G. A. (2007). Um estudo sobre relações entre o dizer e o fazer: algumas variáveis que operam no controle do planejamento de sessões terapêuticas. Dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Prado, O.Z. & Meyer, S.B. (2006). Avaliação da Relação Terapêutica na Terapia Assíncrona Via Internet. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, (2), p. 247-257.

Rocha, G. V.M. (2011). Empatia. In: P. I. Gomide (org). Comportamento moral: uma proposta para o desenvolvimento das virtudes. (pp. 69-80). Curitiba: Juruá.

Santos, G.M., Santos, M. R. M. & Marchezini-Cunha, V. (2012). A escuta cautelosa nos encontros iniciais: a importância do clínico analítico-comportamental ficar sob controle das nuances do comportamento verbal. Em: N. B. Borges & F. A. Cassas (et al.). Clínica analítico-comportamental: aspectos teóricos e práticos. (Pp. 138-146). Porto Alegre: Artmed.

Silveira, J.M. (1997). A queixa clínica como condição para análise da interação terapeuta-cliente. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Silveira, J. M. S. (2000). Pesquisa da relação terapêutica em Psicologia Clínica Comportamental In: Costa, C. E.; Luzia, J. C.; Sant’anna, H. H. N. Primeiros Passos em Análise do Comportamento e Cognição. (pp. 139-148). Santo André. ESETec.

Silveira, F. F. (2009). Análise da interação terapêutica em uma intervenção de grupo com cuidadoras. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista, Bauru.

Silveira, F. F., Bolsoni-Silva, A. T. & Meyer, S. B. (2010). Therapist’s directive and nondirective behavior: analysis of their effects in a parent training group. International Journal of Behavioral Consultation and Therapy, Vol. 6, (2), p. 124- 133.

Silverman, D. K. (2005). What works in psychotherapy and how do we know? What Evidence-Based Practice Has to Offer. Psychoanalytic Psychology, 22(2), 306–312.

Skinner, B.F. (2003). Ciência e Comportamento Humano. São Paulo: Martins Fontes. Publicação original de 1953.

Tasca, G. A., Balfour, L., Richie, K. & Bissada, H. (2007). The Relationship Between Attachment Scales and Group Therapy Allinance Grownth Differs by Treatment Type for Women With Binge-Eating Disorder. Group Dynamics: Theory, Research, and Practices, vol. 11,(1), 1-14.

Tourinho, E. Z., Neno, S., Batista, J. R., Garcia, M. G., Brandão, G. G., Souza, L. M. & Oliveira-Silva, M. (2007). Condições de treino e sistemas de categorização de verbalizações de terapeutas. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, vol., 317-336.

Vermes, J. S. (2000). Uma avaliação dos comportamentos do terapeuta durante a sessão: relatos verbais do terapeuta e do cliente. Pesquisa de iniciação científica, Pontifícia Universidade Católica. São Paulo.

Zamignani, D. R. (2001). Uma tentativa de caracterização da prática clínica do analista do comportamento no atendimento de clientes com e sem o diagnóstico de transtorno obsessivo-compulsivo. (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Zamignani, D. R. & Andery, M. A. P. A. (2005). Interação entre terapeutas comportamentais e clientes diagnosticados com transtorno obsessivo-compulsivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, vol 21, (1), 109-119.

Zamignani, D. R. (2007). O desenvolvimento de um sistema multidimensional para a categorização de comportamentos na interação terapeuta-cliente. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Zamignani, D. R & Meyer, S. B. (2007). Comportamento verbal no contexto clínico: contribuições metodológicas a partir da análise do comportamento. Revista Brasileira de terapia Comportamental e Cognitiva, vol IX, (2), p. 241-259.

Zamignani, D. R & Meyer, S. B. (2011). Comportamentos verbais do terapeuta no sistema multidimensional para a categorização de comportamentos na interação terapêutica (SiMCCIT). Revista Perspectivas, vol 2, (1), pp. 25-45.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2017 Priscila Ferreira de Carvalho Kanamota, Alessandra Turini Bolsoni-Silva, Juliano Setsuo Violin Kanamota

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

The IJP maintain the highest standards of quality and have an acceptance rate that ranges between 30% to 45% which the American Psychological Association considers an acceptable rate and its revision times ranges from 3 months minimum to 7 month maximum waiting time. The IJP uses the open journal system for submissions, review, and promulgation of the work of the interamerican psychologists. It is indexed in: Redalyc, Pepsic, DOAJ, SCOPUS.

Dedicada a expandir preservar y divulgar la Psicología de las Américas desde el 1967.