Apoio social e saúde mental em mulheres em contextos de pobreza no Brasil

  • Barbara Barbosa Nepomuceno Universidade Federal do Ceará
  • Verônica Morais Ximenes Universidade Federal do Ceará

Abstract

A pesquisa analisou a saúde mental e o apoio social em mulheres que vivem em condições de pobreza, em comunidades rurais do Norte e Nordeste do Brasil. A metodologia contou com aplicação de questionários fechados, com 511 mulheres, composto por: questões sociodemográficas e fontes de Apoio Social, Escala de Percepção de Suporte Social e Self-Report Questionnaire. Ademais foram realizadas 5 oficinas temáticas. Os resultados mostram altos indicadores de transtornos mentais comuns (TMC) (45,5%, N=217) entre as participantes, com maior prevalência entre as que se encontram em pobreza multidimensional moderada a intensa (62,4%; N=53); as principais fontes de apoio social informal são família e amigos; e correlação moderada negativa e significativa (r= -0,589, p<0,05) entre TMC e apoio social entre as participantes em maior pobreza multidimensional.

References

Andrade, G. R. B. de, & Vaitsman, J. (2002). Apoio social e redes: conectando solidariedade e saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 7(4), 925–934. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000400023

Alves & Rodrigues (2010). Determinantes sociais e econômicos da Saúde Mental. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 28(2), 127-131. Recuperado de: https://doi.org/10.1016/S0870-9025(10)70003-1

Bardin, L. (2004). Análise de Conteúdo (3ª Ed.). Lisboa: Edições 70.

Campos, C.S. (2011). A face feminina da pobreza em meio a riqueza do agronegócio: trabalho e pobreza das mulheres em territórios do agronegócio no Brasil: o caso de Cruz Alta/RS. 1.ed. Buenos Aires: CLACSO.

Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL). (2016). Autonomía de las mujeres e igualdad en la agenda de desarrollo sostenible. Recuperado de: http://www.cepal.org/es/publicaciones/40633-autonomia-mujeres-igualdad-la-agenda-desarrollo-sostenible

Cidade, E.; Moura Jr., J.F.; & Ximenes, V.M. (2012). Implicações psicológicas da pobreza na vida do povo latinoamericano. Psicologia Argumento, 30 (68), 87-98. Recuperado de https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/view/20087

Costa, A.G. & Ludemir, A.B. (2005). Transtornos mentais comuns e apoio social: estudo em comunidade rural da Zona da Mata de Pernambuco, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 21 (1), jan-fev, 73-79. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000100009

Costa, M.G.S.G; Dimenstein, M., & Leite, J. (2014). Gênero, trabalho rural e saúde mental. Estudos feministas, julho/dezembro. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2014000200007

Estanislau, A., Feitosa, M.Z.S., Ximenes, V.M., Silva, A.M.S., Araújo, M.S., Bomfim, Z.A.C. (2018). Apoio social: modo de enfrentamento às vivências de humilhação e de vergonha em contextos de pobreza. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 13, 1-17.

Fonseca, M.L.G. (2008). Sofrimento Difuso nas classes populares no Brasil: uma revisão da perspectiva do nervoso. In E.M. Vasconcelos (Org.) Abordagens Psicossociais Volume II: reforma psiquiátrica e saúde mental na ótica das lutas populares. (pp. 171-228). São Paulo: HUCITEC.

García-Cruz, R., Valencia Ortiz, A.I., Hernández-Martínez, A., & Rocha-Sanchez, T.E. (2017). Pensamiento rumiativo y depresión entre estudiantes universitarios: repensando el impacto del género. Revista Interamericana de Psicología, 51 (3), 406-416. doi: http://dx.doi.org/10.30849/rip/ijp.v51i3.384

Gonçalves, T. R., Pawlowski, J., Bandeira, D. R, & Piccinini, C. A. (2011). Avaliação de apoio social em estudos brasileiros: aspectos conceituais e instrumentos. Ciência & Saúde Coletiva, 16 (3), 1755–1769. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000300012

Hora, A. & Butto, K. (2014). Políticas Públicas para mulheres rurais no contexto dos territórios da cidadania. In A. Butto, N. Faria, & K. Hora (Orgs.) Mulheres rurais e autonomia: formação e articulação para efetivar políticas públicas nos territórios da cidadania. (pp. 14-45). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2016. Recuperado de: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101459.pdf

Lacerda, A., & Valla,V. (2005). Um olhar sobre a construção social da demanda a partir da dádiva e das práticas de saúde. In: R. Pinheiro & R.A. Mattos (Org.) Construção Social da demanda: direito à saúde, trabalho em equipe, participação e espaços públicos. Rio de Janeiro: ABRASCO.

Leite, J.F., Macedo, J.P.S., Dimenstein, M., & Dantas, C. (2013). A formação em Psicologia para a transformação em contextos rurais. In J.F. Leite, & M. Dimenstein (Org.) Psicologia e contextos rurais. (pp. 27-55). Natal: EDUFRN.

Lever, J.P.; Martínez, Y.I.C. (2007). Pobreza y apoyo social: Un estudio comparativo en tres niveles socioeconómicos. Interamerican Journal of Psychology, 41(2), 177-188. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=28441208

Ludemir, A.B. (2008). Desigualdade de classe e gênero e saúde mental nas cidades. Physis Revista de Saúde Coletiva, 18 (3), 451-467. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312008000300005.

Mari, J., & Williams, P. (1986). A validity study of a psychiatric screening questionnaire (SRQ-20) in primary care in the city of Sao Paulo. British Journal of Psychiatry, 148 (jan), 23–26. Recuperado de https://doi.org/10.1192/bjp.148.1.23

Organização Mundial de Saúde (OMS). (2002). Saúde Mental: nova concepção, nova esperança. Relatório mundial da saúde. Lisboa.

Organização Mundial de Saúde (OMS). (2008). Integração da saúde mental nos cuidados de saúde primários: uma perspectiva global. 2008. Recuperado de: http://www.who.int/eportuguese/publications/Integracao_saude_mental_cuidados_primarios.pdf?ua=1

Patel, V., & Kleinman, A. (2003). Poverty and common mental disorders in developing countries. Bulletin of the World Health Organization, 81 (8). Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/14576893

Pinto, N.M.A., Pontes, F.A.R., & Silva, S.S.C. (2013). A rede de apoio social e o papel da mulher na geração de ocupação e renda no meio rural. Temas em Psicologia, 21 (2), 297-315. Recuperado de http://dx.doi.org/10.9788/TP2013.2-01

Rêgo, W., & Pinzani, A. (2013). Vozes do Bolsa Família: autonomia, dinheiro e cidadania. São Paulo: Ed. Unesp.

Rocha-Sánchez, T.E. & Cruz del Castillo, C. (2013). Barreras estructurales y subjetivas en la transición de roles de mujeres y su malestar emocional. Acta Colombiana, 16 (1), 123-135.

Rodriguez, P.E. (2009). Entre la clínica y la cultura: psicoterapia con pacientes en condiciones de pobreza y exclusión. In A.E Hincapié. Sujetos políticos y acción comunitaria para una praxis de la psicología social y de la clínica social-comunitaria en América Latina. (p. 269-299). Medelín: UPB.

Savi, E.S.A. (2010). O sofrimento difuso das mulheres na maré: estudo sobre a experiência de um grupo de convivência. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). Escola Nacional de Saúde Pública/Fundação Oswaldo Cruz. Manguinhos-Rio de Janeiro.

Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

Silva, L. et al. (2016). Apoio social como modo de enfretamento à pobreza. In V. M. Ximenes et al. Implicações Psicossociais da Pobreza: diversidades e resistências. (p. 45-65). Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora.

Siqueira, M.M.M. (2008). Construção e validação da escala de percepção de suporte social. Psicologia em Estudo, 13(2), 381-388. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722008000200021.

Soares, S., Souza, L. de, Silva, W., Silveira, F. G., & Campos, A. (2016). Perfil da pobreza: Norte e Nordeste rurais. Brasília: Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG). Recuperado de

http://www.ipc-undp.org/pub/port/Perfil_da_pobreza_Norte_e_Nordeste_rurais.pdf

Soares, A.J. & Pereira, M.G. (2014). Suporte Social em cuidadores informais de dependentes de substâncias. Interamerican Journal of Psychology, 48 (1), 82-97. doi: http://dx.doi.org/10.30849/rip/ijp.v48i1.248

Souza, P.H.G.F, & Osório, R.G. (2013). O perfil da pobreza no Brasil e suas mudanças entre 2003 e 2011. In T. Campello, & M.C., Neri (Orgs.) Programa Bolsa Família: uma década de inclusão e cidadania. (pp. 139-156). Brasília: Ipea.

Valla, V. (2000). Redes sociais, poder e saúde à luz das classes populares numa conjuntura de crise. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, 4 (7), 37-56.

Ximenes, V., Cidade, E., & Nepomuceno, B. (2016). Psicología comunitaria y expresiones psicosociales de la pobreza: contribuciones para la intervención en políticas públicas. Universitas Psychologica, 14 (4), 1411-1424. https://doi.org/10.11144/Javeriana.up14-4.pcep

Zanello, W. (2016). Saúde Mental, Gênero e Dispositivos. In M. Dimenstein et al. (Org.). Condições de vida e saúde mental em contexto rural. (pp. 223-246). São Paulo: Intermeios: Brasília: CNPQ; Natal: UFRN, Teresina: UFPI.

Yazbek, M.C. (2012) Pobreza no Brasil contemporâneo e formas de seu enfrentamento. Serviço Social e Sociedade, 110, 288-322. doi: 10.1590/S0101-66282012000200005

Published
2019-12-18
How to Cite
Nepomuceno, B. B., & Ximenes, V. M. (2019). Apoio social e saúde mental em mulheres em contextos de pobreza no Brasil. Revista Interamericana De Psicologia/Interamerican Journal of Psychology, 53(2), 208-218. https://doi.org/10.30849/rip/ijp.v53i2.1059