Psicologia e contextos rurais no Brasil: interlocuções com a psicologia comunitária

  • James Ferreira Moura Jr University for International Integration of the Afro-Brazilian Lusophony http://orcid.org/0000-0003-0595-5861
  • Vilkiane Natercia Malherme Barbosa Universidade Federal do Ceará-UFC.
  • Cícera Mônica da Silva Sousa Martins Universidade Federal do Ceará
  • Zulmira Áurea Cruz Bomfim Universidade Federal do Ceará

Abstract

Tem-se como objetivo analisar  a perspectiva de atuação comunitária nas produções científicas em Psicologia sobre contextos rurais. Foi realizada uma revisão sistemática de artigos publicados no período de 2010 a 2018 nas bases de dados Scielo, Lilacs e BVS. Foram usados como descritores Psicologia e rural. Na análise de dados, foi constatado que os trabalhos analisados são vinculados principalmente à Saúde Mental, à Psicologia Social e à Psicologia Comunitária. O público participante está caracterizado como movimentos sociais, trabalhadores, pessoas em situação de pobreza, jovens e mulheres. A maioria das produções não tem como base a Psicologia Comunitária, mas ocorrem em contextos pertinentes a perspectiva comunitária. Salienta-se desenvolver produções com uma perspectiva rural crítica e voltada para a população em situação de opressão nesse contexto.

Author Biographies

James Ferreira Moura Jr, University for International Integration of the Afro-Brazilian Lusophony
Professor of the Institute of the Arts and Humanities
Vilkiane Natercia Malherme Barbosa, Universidade Federal do Ceará-UFC.
Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará-UFC.
Cícera Mônica da Silva Sousa Martins, Universidade Federal do Ceará
Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará-UFC
Zulmira Áurea Cruz Bomfim, Universidade Federal do Ceará
Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará-UFC. Coordenadora do Laboratório de Pesquisa em Psicologia Ambiental- LOCUS.

References

Abramovay, R. (2000). Funções e Medidas da Ruralidade no Desenvolvimento Contemporâneo. Rio de Janeiro: IPEA.

Alvaides, N. K.; Scopinho, R A (2013). De sem-terra a sem-terra: memórias e identidades. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 25, n. 2, p. 288-297. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v25n2/06.pdf . Acesso em: 10/03/2018.

Araújo, J. N. G.; et al. (2013). Agrotóxicos: a semente plantada no corpo e na mente dos trabalhadores rurais. Psicologia em Revista, v. 19, n. 3. Belo Horizonte, dez. p. 389-406. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/per/v19n3/v19n3a05.pdf . Acesso em: 10/03/2018.

Bock, A. M. B. (2009). Psicologia e sua ideologia: 40 anos de compromisso com as elites. In: Bock, A. M. B. (org.). Psicologia e o compromisso social. São Paulo: Cortez.

Bomfim, Z. A. C. (1999). A mediação emocional no desvelar da identidade em Psicologia Comunitária. In: Brandão, I R; Bomfim, Z A C (orgs.). Os jardins da Psicologia Comunitária. Fortaleza: PROEX UFC/ ABRAPSO.

Bonomo, M; Souza; L. (2013). Representações hegemônicas e polêmicas no contexto identitário rural. Avances en Psicología Latinoamericana. Bogotá (Colombia). Vol. 31(2)/pp. 402-418. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/apl/v31n2/v31n2a08.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

Bonomo, M., Souza, L., Menandro, M. C., & Trindade, Z. A. (2011). Das categorias aos grupos sociais: representações sociais dos grupos urbano e rural. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 31(4), p. 676-689. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=282021813002 . Acesso em: 10/03/2018.

Breakwell, G. M.; Fife-Schaw, C.; Hammond, S.; Smith, J. A. (2010). Métodos de Pesquisa em Psicologia. Porto Alegre: Artmed.

Calegare, M G A; Higuchi, M I G. (2016). Transformações das Identidades Coletivas em Comunidade no Alto Solimões/AM. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília , v. 32, n. 3. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v32n3/1806-3446-ptp-32-03-e323222.pdf. Acesso em: 10/03/2018

Camurça, C E S; Alencar, A B; Cidade, E C; Ximenes, V M. (2016). Implicações da seca na vida de moradores da zona rural do Nordeste. Avances en Psicologia Latinoamericana, Bogotá, v. 34, n. 1, p. 117-128.

Cirilo Neto, M; Dimenstein, M.(2017). Saúde Mental em Contextos Rurais: o Trabalho Psicossocial em Análise. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 37, n. 2, p. 461-474, June. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pcp/v37n2/1982-3703-pcp-37-2-0461.pdf . Acesso em: 10/03/2018

Conselho Federal de Psicologia-CFP. (2013). Referências Técnicas para atuação das(os) psicólogas(os) em questões relativas à terra. Brasília: Conselho Federal de Psicologia.

Costa, M. G., Dimenstein, M; Leite, J. F (2015). Estratégias de cuidado e suporte em saúde mental entre mulheres assentadas. Revista Colombiana de Psicologia, v. 24(1): p. 13-28. Disponível em: https://revistas.unal.edu.co/index.php/psicologia/article/view/41968/61911. Acesso em: 10/03/2018.

Dimenstein, M. et al (2017). Iniquidades Sociais e Saúde Mental no Meio Rural. Psico-USF, Campinas , v. 22, n. 3, p. 541-553, dez. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusf/v22n3/2175-3563-pusf-22-03-541.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

_________. (Org.). (2008). Psicologia social comunitária: aportes teóricos e metodológicos: GT Psicologia Comunitária/ANPEPP. Natal: Edufrn, 248 p.

Fernandes, S L et al (2015). Psicologia e ruralidades: pesquisas e intervenções em Contextos rurais. In: VI Congresso Internacional de Psicologia da UEM (VI CIPSI). 2015, Maringá. Anais. Maringa: UEM. Disponível em: http://cipsi.vwi.com.br/anais/publicacoes/modalidade/1. Acesso em: 10/06/2018.

Freitas, M R Q. (2015). Psicologia na Comunidade, Psicologia da Comunidade e Psicologia (social) Comunitária – Práticas da psicologia em comunidades nas décadas de 1960 à 1990 no Brasil. In: Campos, R H F (org.). Psicologia Social Comunitária: Da Solidariedade à autonomia. Petrópolis: Vozes.

________.(2008). Estratégias de ação comunitária e mudança social: relações a partir da vida cotidiana e dos processos de participação. In: Dimenstein, M. (org). Psicologia social comunitária: aportes teóricos e metodológicos: GT Psicologia Comunitária/ANPEPP. Natal: Edufrn.

Frighetto, J. (2015). Saúde geral do idoso: condições de saúde à luz de um contexto rural. Revista de Psicologia da IMED, v. 7(1), p. 52-60. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/5155061.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

Furlani, D. D. ; Bomfim, Z.A.C. (2010). Juventude e Afetividade: Tecendo projetos de vida pela construção dos mapas afetivos. Psicologia e Sociedade, 22 (1), 50-59. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v22n1/v22n1a07.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

Giongo, C. R.; Monteiro, J. K.; Sobrosa, G. M. R. (2017). Suinocultor: vivências de prazer e sofrimento no trabalho precário. Psicol. Soc.,Belo Horizonte , v. 29. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v29/1807-0310-psoc-29-e147648.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

Goes, N. A., Ximenes, V. M. & Moura Jr., J. F. (2015). Relações da Psicologia Comunitária com as matrizes libertadoras a partir da dialética dominação-opressão. Teoría y Crítica de la Psicología, 6, 140-161.

Góis, C.W.L. (2005). Psicologia Comunitária: atividade e consciência. Fortaleza: Publicações Instituto Paulo Freire de Estudos Psicossociais.

Goís, C. W. L. (2008). Saúde comunitária: pensar e fazer. São Paulo: HUCITEC.

Gomes, L. R. L; Barros, D. C. (2017). Juventude assentada e a identidade vinculada com a terra. Psicologia & Sociedade, vol. 29, pp. 1-10. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/3093/309350113028.pdf . Acesso em: 10/03/2018.

Gomes, R. C. M., Nogueira, C., Vázquez, C., Toneli, M. J. F. (2016). Participação política e subjetividade: Narrativas de vida de trabalhadoras rurais do sul do Brasil. Psico, 47(2), 148-158. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/revistapsico/ojs/index.php/revistapsico/article/view/21993/pdf_31. Acesso em: 10/03/2018.

Graf, L. P. & Coutinho, M. C. (2012). Entre aves, carnes e embalagens: trabalho em abatedouro. Estudos Feministas, v. 20(3), p. 761-783. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2012000300009/23837. Acesso em: 10/03/2018.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE (2000). Sinopse preliminar do censo demográfico 2000. Rio de Janeiro: IBGE.

_____. (2017). Classificação e caracterização dos espaços rurais e urbanos do Brasil : uma primeira aproximação. Rio de Janeiro: IBGE.

Landini, F. (2015). La noción de psicologia rural y sus desafios en el contexto latinoamericano. In: Landini, F (org.). Hacia una Psicología Rural Latinoamericana. Buenos Aires: CLACSO.

Lane, S. T. M. (2015). Histórico e fundamentos da Psicologia Comunitária no Brasil. In: CAMPOS, R H F (org.). Psicologia Social Comunitária: Da Solidariedade à autonomia. Petrópolis: Vozes.

Leite; J. F., Dimenstein; M. (org.) (2013). Psicologia e contextos rurais. Natal: EDUFRN.

_______; Macedo, J. P. S.; Dimenstein, M.; Dantas; C. (2013). A formação em psicologia para a atuação em contextos rurais. In: Leite; J. F., Dimenstein; M. (org.). Psicologia e contextos rurais. Natal: EDUFRN.

_____; et al. Condições de vida, saúde mental e gênero em contextos rurais: um estudo a partir de assentamentos de reforma agrária do Nordeste brasileiro. (2017). Avances en Psicología Latinoamericana. Bogotá (Colombia). Vol. 35(2) , pp. 301-316. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/apl/v35n2/1794-4724-apl-35-02-00301.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

_______.(2007). Dimensão subjetiva da intervenção do MST no meio rural brasileiro. São Paulo: Vivência v.37 p. 303-310.

________. (2006). Subjetividade em movimento: o MST no Rio Grande do Norte. Psicologia & Sociedade. v.18 n. 1 p.21-30 .

Liberati, A. et al. (2009). The PRISMA statement for reporting systematic reviews and meta-analyses of studies that evaluate health care interventions: explanation and elaboration. Annals of Internal Medicine, Philadelphia, v. 151, n. 4, p. W65-W94. Suplemento 1. PMid:19622512.

Marcolino, A. V.; Barroso, B. I. L.; Siqueira, J. C. F. (2015). Efeitos do trabalho em turnos nos controladores de tráfego aéreo: uma revisão sistemática baseada no método PRISMA. São Carlos: Cad.Ter.Ocup. UFSCar, n.2, p. 393-402.

Martín- Baró, I (2009). Para uma Psicologia da Libertação. In: Guzzo, R. S. L; Lacerda Jr, F. Psicologia Social para a América Latina: o resgate da Psicologia da Libertação. São Paulo: Alínea, p. 189-1.

Melo, T. G; Scopinho, R. A. (2015). Participação em cooperativas de assentamentos rurais: estudo sobre os sentidos do trabalho. Psicologia em Estudo, v. 20, p. 529-541. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/PsicolEstud/article/view/25776/pdf. Acesso em: 10/03/2018.

Montero, M. (2006). Hacer para transformar: El método en Psicología Comunitaria. Paidós: Buenos Aires.

Moreira, M. I. G. (2014). A inserção do psicólogo na Assistência Social – SUAS: a perspectiva da afetividade. In: Romagnoli, R. B. & Moreira, M. I. G. (org.) SUAS Sistema Único de Assistência Social: a articulação entre Psicologia e Serviço Social no campo da proteção social, seus desafios e perspectivas. (pp. 29-44). Editora CRV: Curitiba.

Moura JR., J F et al (2013). Práxis em Psicologia Comunitária: Festa de São João como atividade comunitária. Revista Ciência em Extensão, [S.l.], v. 9, n. 1, p. 105-123, abr. Disponível em: http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/article/view/744. Acesso em: 10/03/2018.

Nepomuceno, B. B. (2013). Pobreza e Saúde Mental: uma análise psicossocial a partir da perspectiva dos usuários do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Dissertação de Mestrado em Psicologia ao Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará. 151 f.

Oliveira, E. M. et al. (2015). Determinantes sócio-históricos do cuidado na Estratégia Saúde da Família: A perspectiva de usuários da área rural. Saúde e Sociedade, v. 24(3), p .901-913. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v24n3/0104-1290-sausoc-24-03-00901.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

Pizzinato, A. et al. (2015) . Relações de gênero e ruralidade nos projetos vitais e noções de si de jovens mulheres. Fractal, Rio de Janeiro , v. 27, n. 3, p. 247-255, Dec. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fractal/v27n3/1984-0292-fractal-27-3-0247.pdf. Acesso em: 30/03/2018.

_______, et al. (2016). Jovens mulheres do âmbito rural: gênero, projetos de vida e território em fotocomposições. Psicologia & Sociedade, v. 28(3), p. 473-483. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v28n3/1807-0310-psoc-28-03-00473.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

_______, A et al (2017). Juventude feminina do meio rural: sentidos sobre educação e perspectivas sobre futuro. Psicol. Esc. Educ., Maringá , v. 21, n. 1, p. 41-51, Apr. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v21n1/2175-3539-pee-21-01-00041.pdf . Acesso em: 10/03/2018.

Quintanar, C. S. (2009). De la cultura que dejamos atrás. In: Quintanar, C S. Psicología en ambiente rural. México: Plaza y Valdés.

Reis, R G; Cabreira, L. (2013). As políticas públicas e o campo: e o Psicólogo com isso? Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 33, n. spe, p. 54-65. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pcp/v33nspe/v33speca07.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

Salvaro, G I F; Lago, M C S; Wolff, C S. (2013). “Mulheres agricultoras” e “mulheres camponesas”: Lutas de gênero, identidades políticas e subjetividades. Psicologia & Sociedade; v. 25(1), p. 79-89. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v25n1/10.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

________, Estevam, D. O.; Felipe, D. F. (2014). Mulheres em cooperativas rurais virtuais: reflexões sobre gênero e subjetividade. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 34, n. 2, p. 390-405, Jun. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pcp/v34n2/v34n2a10.pdf . Acesso em: 10/03/2018.

Sawaia, B. B. (2015). Comunidade: A apropriação científica de um conceito tão antigo quando a humanidade. In: CAMPOS, R H F (org.). Psicologia Social Comunitária: Da Solidariedade à autonomia. Petrópolis: Vozes.

Schneider, S.; Blume, R. (2004). Ensaio para uma abordagem territorial da ruralidade: em busca de uma metodologia. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, nº 107,jul./dez. p. 109-135.

Silva, K B; Macêdo, J P. (2017). Inserção e trabalho de psicólogas/os em contextos rurais: interpelações à psicologia. Revista de Psicologia, Fortaleza, v. 8, n. 2, p. 146-154, jul./dez. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/11886/30938. Acesso em: 10/03/2018.

Silva, M. S; Barros, V. A. Saberes sobre o trabalho: experiência e história nos canaviais. Psicologia & Sociedade , 26(2), 440-448, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v26n2/a20v26n2.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

Silva, V. H. F.; Dimenstein, M.; Leite, J. F. (2013). O cuidado em saúde mental em zonas rurais. Mental, v.10, n.19, p. 267-285. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/mental/v10n19/a08v10n19.pdf. Acesso em: 10/03/2018.

Silva, A. P. S; Tassara, E T O. (2014). Sistemas Agroflorestais: Ressignificação de Vivências em Assentamento Rural Periurbano. Psico. v. 45, n. 3, pp. 328-339, jul.-set. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/17347/pdf_3. Acesso em: 10/03/2018.

Wanderley, M. N. B. (2000). A valorização da agricultura familiar e a reivindicação da ruralidade no Brasil. Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 2, p. 29-37.

Vasconcelos. E. M. (2009). Abordagens psicossociais: Volume I história, teoria e trabalho no campo. São Paulo, 2 ed. Editora Hucitec.

Ximenes, V. M.; Barros, J. P (2009). Perspectiva histórico-cultural: que contribuições teórico metodológicas podem dar à práxis do psicólogo comunitário? Psicol. Argum., Curitiba, v. 27, n. 56, p. 65-76, jan./mar.

________. ; Nepomuceno B B ; Cidade, E C.(2016). Pobreza: Um problema para Psicologia Comunitária? In: Ximenes, V M; Sarriera; J C; Bomfim; Zac; Alfaro I, J. (orgs). Psicologia Comunitária no mundo atual: Desafios, limites e fazeres. Fortaleza: Expressão Gráfica e editora.

________. ; Moura JR, J. F. (2013). Psicologia Comunitária e comunidades rurais do Ceará: caminhos, práticas e vivências em extensão universitária. In: Dimenstein, M.; Leite, J. F. (Org.). Psicologia e contextos rurais. Natal, RN: EDUFRN.

Zanello, V.; Silva, R. M. C. (2012). Saúde mental, gênero e violência estrutural.Revista Bioét 267-279.

Zanello, V.;Campos I. (2017). Sofrimento psíquico, gênero e violência: narrativas de mulheres atendidas em um Centro de Atenção Psicossocial (Caps II). In: Mulheres e violências: interseccionalidades / Org. Stevens, C. Oliveira, S. Zanello, V. Silva, E. Portela, C.-Brasília: Technopolitik, 628.

Published
2019-12-17
How to Cite
Moura Jr, J. F., Barbosa, V. N. M., Martins, C. M. da S. S., & Cruz Bomfim, Z. Áurea. (2019). Psicologia e contextos rurais no Brasil: interlocuções com a psicologia comunitária. Revista Interamericana De Psicologia/Interamerican Journal of Psychology, 53(2), 140-154. https://doi.org/10.30849/rip/ijp.v53i2.1054