Relacionamentos sorodiscordantes ao HIV/Aids: representações sociais femininas e práticas de cuidados

  • Marysther Fonte Boa Instituto de Atenção à Saúde São Francisco de Assis. Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Ana Beatriz Azevedo Queiroz Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil
  • Gabriela Silva dos Santos Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil http://orcid.org/0000-0001-6687-9888
  • Cosme Sueli de Faria Pereira Instituto de Atenção à Saúde São Francisco de Assis. Universidade Federal do Rio de Janeiro
Keywords: Saúde da Mulher, HIV, Relação Sexual, Psicologia Social.

Abstract

 Objetivo do estudo é acessar as representações sociais de mulheres com HIV/Aids em relacionamentos sorodiscordantes acerca da vida sexual e analisar as práticas de cuidados frente a essas representações. Estudo qualitativo, à luz da Teoria das Representações Sociais desenvolvido com 17 usuárias de serviços especializados na assistência à pessoa com HIV/Aids no Rio de Janeiro, Brasil. As temáticas geradas foram: “Representação da vida sexual como regrada, limitante e sem prazer”; “Não ao preservativo: a mulher não transmite o HIV ao homem”; “Adesão ao tratamento como principal prática de cuidado frente à sua vida sexual”. As representações das mulheres vivendo com HIV/Aids na sorodiscordância guarda relação com comportamentos sexuais impregnados de prescrições, preconceitos e doutrinas associados a epidemia da aids e a normatização da sexualidade.

 

Author Biographies

Marysther Fonte Boa, Instituto de Atenção à Saúde São Francisco de Assis. Universidade Federal do Rio de Janeiro
Assistente Social graduada pela Universidade Federal Fluminense em 2009, pós-graduada em Gestão de Saúde Pública pela Universidade Federal Fluminense em 2012. Especialista em Saúde da Mulher, tendo cursado a Residência Multiprofissional em Saúde da Mulher na Universidade Federal do Rio de Janeiro de 2014 à 2016. Atuando no Instituto de Atenção à Saúde São Francisco de Assis, Centro Saúde Escola São Francisco de Assis (Estrategia de Saúde da Família), Instituto de Ginecologia Moncorvo Filho, Maternidade Escola de Laranjeiras,Centro Especializada de Assistência à Mulher em situação de violência- Chiquinha Gonzaga, Coordenadoria de Área Programática de Saúde do Município do Rio de Janeiro - AP1.0, dentre outros. Experiência nas áreas: Saúde da Mulher, Saúde do Idoso, Saúde do Adolescente, População em situação de rua, Pessoas com problemas relacionados ao álcool e outras Drogas, Ouvidoria Hospitalar, Centro de Testagem e Aconselhamento, Serviço Assistência Especializada à pessoas vivendo com HIV/AIDS. Integrante da equipe da Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo de 2012 à 2014, atuando na gestão descentralizada aos municípios e na assistência à saúde na Superintendência Regional de Saúde de Cachoeiro de Itapemirim. Experiência internacional através do Intercâmbio de Atenção Primária da Saúde em Cuba na Escuela Nacional de Salud Pública de Cuba ? abril 2015. Participação como mediadora do Projeto de Extensão da Universidade Federal de Minas Gerais - Sentidos do Nascer - Exposição em Niterói/RJ, em agosto de 2015
Ana Beatriz Azevedo Queiroz, Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil
Professora Associada da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Enfermeira especialista em Saúde da Mulher, Graduada pela Escola de Enfermagem Anna Nery/EEAN da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ.Pós-graduada em Enfermagem Ginecológica e Obstétrica; Novas Metodologias do Ensino Superior de Enfermagem. Mestrado e Doutorado em Enfermagem na área da Saúde da Mulher pela EEAN/UFRJ. Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem em Saúde da Mulher/ NUPESM, líder do grupo de pesquisa de Saúde Sexual e Reprodutiva. Atua em cursos de graduação, especialização e pós-graduação, além de exercer atividades de extensão. Membro da Diretoria Colegiada do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem em Saúde da Mulher da Escola de Enfermagem Anna Nery/UFRJ . Participa como Editora Associado da Revista Escola Anna Nery/UFRJ. Membro da Diretoria Colegiada do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem na Saúde da Mulher (2006-2008).Vice-presidente da Associação Brasileira de Enfermeiros Obstetras (ABENFO) sessão RJ (2010-2012) e atualmente faz parte da Diretoria da ABENFO/RJ. Coordenadora da Residência Multiprofissional em Saúde da Mulher do Instituto de Atenção Básica de Saúde São Francisco de Assis/HESFA/UFRJ. Vice-presidente da Comissão da Residência Multiprofissional em Saúde da UFRJ - COREMU. Coordenadora do Projeto de Extensão sobre Saúde Sexual e Reprodutiva do Adolescente da UFRJ. Discute questões da Mulher em âmbito acadêmico e social, no exterior e no Brasil como Conferencista e expositora de trabalhos científicos na divulgação de pesquisas realizadas. É Consultora AD HOC de periódicos Nacionais e Internacionais na área da Saúde da Mulher.Tem experiência na área de Enfermagem, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem ginecológica, enfermagem obstétrica, saúde da mulher, saúde sexual e reprodutiva e representações sociais.
Gabriela Silva dos Santos, Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil
Graduada em Enfermagem nas Faculdades Integradas do Tapajós- PA (2011). Especialista em Saúde Coletiva na Universidade Católica Dom Bosco_ MS (2013), Mestre em Ciências do Cuidado em Saúde pela Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa /Universidade Federal Fluminense_ RJ (2014) cujo objeto de pesquisa foi : A influência das redes sociais virtuais sobre os adolescentes que convivem com Doença Crônica na busca de informação em saúde. Integrante do Núcleo de Estudos Imaginário, Criatividade e Cuidado em Saúde, com a Drª. Cláudia Mara de Melo Tavares como coordenadora desde Nov/2010. Integrante do Grupo de Pesquisa Saúde Sexual e Reprodutiva dos Grupos Humanos do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem em Saúde da Mulher/NUPESM da Escola de Enfermagem Anna Nery, coordenado pela Dra. Ana Beatriz Azevedo Queiroz. Doutoranda em Enfermagem na Escola de Enfermagem Anna Nery/ Universidade Federal do Rio de Janeiro_ RJ (2015). Preceptora na Residência Multiprofissional em Saúde da Mulher do Instituto de Atenção à Saúde São Francisco de Assis- HESFA/UFRJ.
Cosme Sueli de Faria Pereira, Instituto de Atenção à Saúde São Francisco de Assis. Universidade Federal do Rio de Janeiro
Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1986).Especialização em Pediatria e Puericultura na Faculdade Luiza de Marilac (1989). Especialização em MBA/HESFA/UFRJ - Gestão em Serviços de Saúde (2008). Mestrado Profissional em Ensino na Saúde EEAAC/UFF(2014). Tem experiência na realização de Consulta de Enfermagem Ginecológica, Acompanha estágio de alunos de Graduação de Enfermagem e de Profissionais de Saúde na área de Ginecologia e DST. Instrutora de Capacitações de Profissionais da área da Saúde da Secretaria Estadual de Saúde/RJ. Enfermeira do Hospital Escola São Francisco de Assis da UFRJ, Tutora da Residencia Multiprofissional em Saúde da Mulher do HESFA/ UFRJ, membro da coordenação da Residência Multiprofissional em Saúde da Mulher

References

Referências

Azevedo, R.L.W; Silva, E.A.A; Dionísio, L.R; Saldanha. A.A.W. (2014). Trastornosafetivos/cognitivos associados à TARV e à qualidade de vida no contexto da aids. Interamerican Journal of Psychology, 48(3): 238-251. Recuperado em Abril de 2017, de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=28437897001

Bandeira, L.M. (2010). Feminismo, relações de gênero, étnico-raciais e geracionais e políticas públicas para as mulheres. Revista de Políticas Públicas, 14(1):147-152. Recuperado em Abril 2017, de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=321127307016

Barcellos, F.B.J; Magdaleno, J.R. (2012). Saturação teórica em pesquisas qualitativas: contribuições psicanalíticas. Psicologia em Estudo. 17(1): 63-71. Recuperado em Abril 2017, de http://www.scielo.br/pdf/pe/v17n1/v17n1a07.pdf

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa/Portugal: Edições 70.

Dunkle, K.L; Stephenson, R; Karita, E; Chomba, E; Kayitenkore, K; Vwalika, C; Greenberg, L; Allen, S. (2008). New heterosexually transmitted HIV infections in married or cohabiting couples in urban Zambia and Rwanda: an analysis of survey and clinical data. The Lancet, 371(9631): 2183-91. Recuperado em Abril 2017, de http://www.who.int/hiv/events/artprevention/dunkle.pdf

Gomes, A.M.T; Silva, É.M.P; Oliveira, D.C. (2011). Social Representations of AIDS and their Quotidian Interfaces for People Living with HIV. Revista Latino-Americana de. Enfermagem, 19(3):485-92. Recuperado em Abril 2017, de http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n3/06.pdf

Hanif, H; Bastos, F.I; Malta, M; Bertoni, N; Winch, P.J; Kerrigan, D. (2014). Where does treatment optimism fit in? Examining factors associated with consistent condom use among people receiving antiretroviral treatment in Rio de Janeiro/Brazil. (2014). AIDS and Behavior,4; 18(10): 1945-54. Recuperado novembro de 2016, de https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs10461-014-0711-5

Jodelet, D. (2005). Loucuras e representações sociais. Petrópolis: Editora Vozes.

Loutfy, M.R; Wu, W; Letchumanan, M; Bondy, L; Antoniou, T; Margolese, S; Zhang, Y; Rueda,S; McGee, F; Peck,R; Binder, L; Allard,P; Rourke, S,B; Rochon, P.A. (2013). Systematic review of HIV transmission between heterosexual serodiscordant couples where the HIV-positive partner is fully suppressed on antiretroviral therapy. PLoS One, 8(2): e55747. Recuperado novembro de 2016, de http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0055747

Loyola, M.A. (2013). Social representations and health. Ciência e saúde coletiva,18( 8 ): 2176-2176. Recuperado dezembro de 2016, de http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n8/en_01.pdf

Mendes-Leite, R. (2014). As Representações sociais das sexualidades e da prevenção do VIH/SIDA: o caso das proteções imaginárias e simbólicas. In. Maia M e Ferreira P M. VIH/SIDA e Ciências Sociais: diversidade e percursos de investigação. Edições Afrontamento. Porto/Lisboa. cap. 6.

Ministério da Saúde (2014). Boletim Epidemiológico Aids e DST. Brasília; Ano III, nº 1, 1ª a 26ª semanas epidemiológicas. Recuperado em Abril de 2017, de http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2014/56677/boletim_2014_final_pdf_15565.pdf

Molina, I; Gonzalvo, M.C; Clavero, A; López-Ruz, M.Á; Mozas, J; Pasquau, J; Sampedro, A; Martínez, L; Castilha, J, A. (2014) . Assisted reproductive technology and obstetric outcome in couples when the male partner has a chronic viral disease. International Journal of the Fertility & Sterility.7(4):291-300. Recuperado em Abril 2017, de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3901182/

Moscovici, S. (2012). Representações Sociais. Petrópolis: Vozes.

Mugo, N.R; Hong, T; Celum, C; Donnel, D; Bukusi, E.A; John-Stewart, G; Wangisi, J; Were, E; Heffron, R2; Matthews, L.T; Morrison, S; Ngure, K; Baeten, J.M. (2014). Pregnancy incidence and outcomes among receiving preexposure Prophylaxis for HIV Prevention. JAMA. 312(4): 362-71. Recuperado em Abril 2017, de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25038355

Oliveira, C.D. (2013). Construction and transformation of social representations of AIDS and implications for health care. Revista Latino-Americana de Enfermagem,21(Spec):276-86. Recuperado abril de 2017, de http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21nspe/34.pdf

Pupo, L.R; Ayres, J.R.C.M. (2013). Aportaciones y Límites del Uso de la Abordaje Centrada en la Persona (ACP) para la Fundamentación Teórica de la Consejería en VIH / SIDA. Temas em Psicologia. 21(3)4:1107-1124. Recuperado em Abril 2017, de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v21n3/es_v21n3a18.pdf

Queiroz, A.B.A; Arruda, A. (2006). Refletindo sobre a saúde reprodutiva e a situação de infertilidade. Cadernos Saúde Coletiva, 14(1):163-177. Recuperado em Abril 2017, de http://www.cadernos.iesc.ufrj.br/cadernos/images/csc/2006_1/artigos/Ana_Beatriz_2006_1.pdf

Reis, R.K; Gir, E. (2009). Vulnerability and prevention of sexual HIV transmission among HIV/AIDS serodiscordant couples. Revista Escola de Enfermagem da USP, 43( 3 ): 662-669. Recuperado Novembro de 2016, de http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v43n3/en_a23v43n3.pdf

Reis, R.K; Gir, E. (2010). Living with the difference: the impact of serodiscordance on the affective and sexual life of HIV/aids patients . Revista Escola de Enfermagem da USP. 44(3):748-754. Recuperado em Abril 2017, de http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n3/en_30.pdf

Silva, T. M.(2013). Relações de poder e a feminização da epidemia de HIV/AIDS. Seminário Internacional Fazendo Gênero. Florianópolis. 1-11.

UNAIDS. (2012). Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS, 2012. Global report: UNAIDS report on the global AIDS epidemic 2012. Recuperado em novembro de 2015, de http://www.unaids.org.br/documentos/UNAIDS_GR2012_em_en.pdf

Published
2019-07-08
How to Cite
Boa, M. F., Queiroz, A. B. A., Santos, G. S. dos, & Pereira, C. S. de F. (2019). Relacionamentos sorodiscordantes ao HIV/Aids: representações sociais femininas e práticas de cuidados. Revista Interamericana De Psicologia/Interamerican Journal of Psychology, 52(3), 370-378. https://doi.org/10.30849/rip ijp.v52i3.477